Sudeste e nordeste em busca da equidade

Rio de Janeiro: aposta no empoderamento de jovens em projeto envolvendo cultura e cidadania/ Imagem: www.saude.gov.br
Rio de Janeiro: aposta no empoderamento de jovens em projeto envolvendo cultura e cidadania/ Imagem: www.saude.gov.br

Dão continuidade aos relatos sobre as experiências vencedoras do CONASSEMS duas cidades do Sudeste e uma do Nordeste com iniciativas para melhorar as condições de vida e saúde de seus habitantes. Porto Feliz, Assaré e Rio de Janeiro prosseguiram com projetos que originaram os trabalhos vencedores, sendo estes ligados à qualidade da alimentação, cuidados com gestantes e bebês e a promoção de saúde com o empoderamento de jovens em comunidades, respectivamente.

Porto Feliz

Em Porto Feliz, a experiência premiada foi o “Programa de Reforço e Qualificação Alimentar – PROQUALI”. Trata-se de uma ação coordenada entre o Instituto de Saúde e Meio Ambiente (ISAMA) e a Cooperativa de Agricultores do município, apoiada pelo MDS. A população alvo é a que vive em área da Estratégia de Saúde da Família (ESF) e apresenta insegurança alimentar grave, identificada através de questionário aplicado por Agentes Comunitários de Saúde (ACS).

Os beneficiários recebem cestas de alimentos oferecidas pela cooperativa de agricultores e confeccionadas pelos ACS e pelos próprios beneficiários. Estes são acompanhados em ambulatório de nutrição e os mais necessitados são referidos a programas de geração de renda e incluídos em Cadastro Único de Programas Sociais para facilitar articulação com outros programas e instituições.

Atualmente o programa vem desenvolvendo ações de continuidade ao combate a insegurança alimentar e suas consequências como a fome, desnutrição, obesidade e baixo consumo de frutas, verduras e legumes. Após a premiação o trabalho expandiu o número de beneficiários, passando de 330 para 420 famílias passando a ter como meta o atendimento de 700 famílias até dezembro de 2012. Hoje o programa conta com a parceria de seis cooperativas. Até agosto de 2012 ultrapassou a marca de 500 toneladas de frutas verduras e legumes distribuídos em quatro anos de projeto.

Atualmente 99% das famílias vinculadas a Estratégia de Saúde da Família já responderam ao questionário. Os dados obtidos revelam que destas 99% (10082 famílias): 751 (7,45%) vivem em Insegurança Alimentar Severa, 508 (5,04%) em Insegurança Alimentar Moderada, 1299 (12,88%) Insegurança Alimentar Leve e 7524 (74,63%) vivem em Segurança Alimentar.

Para o monitoramento do Programa é adotado como parâmetro o acompanhamento do estado nutricional os integrantes da família bem como a avaliação do consumo de frutas, verduras e legumes. As análises são feitas utilizando como ferramenta o instrumento do Ministério da Saúde do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN.

As avaliações mais recentes tem demonstrado uma queda no índice do risco nutricional entre as crianças até 10 anos e diminuição do sobrepeso e obesidade na faixa etária dos adultos. Cerca de 1500 pessoas participaram dos mutirões de avaliação de impacto. “Em sua continuidade o programa tem demonstrado que é possível trabalhar dentro do SUS padrões inovadores como a questão da Segurança alimentar melhorando qualidade de vida das famílias podendo ser considerada uma estratégia exitosa no enfrentamento dos determinantes sociais de saúde”, citou Luciana Ambrosini, uma das autoras do estudo.

Acesse aqui o artigo sobre a experiência, publicado por ocasião da premiação.

 

Rio de Janeiro

Profissionais da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro (SMSDC-RJ) desenvolveram trabalho de educação prevenção e cidadania com foco no protagonismo juvenil, em ações com adolescentes capacitados como promotores da saúde, que acontecem em diversas regiões da cidade do Rio de Janeiro. Trata-se da Rede de Adolescentes Promotores da Saúde (RAP da Saúde)”.

A experiência consiste em estimular o protagonismo juvenil para superar barreiras geracionais e sociais em atividades de promoção da saúde. Adolescentes de diversas regiões da cidade do Rio de Janeiro são capacitados como promotores de saúde e desenvolvem atividades tais como oficinas, feiras de saúde, relatos de historias, peças de teatro, buscando promover uma cultura de saúde, cidadania e qualidade de vida. As atividades são realizadas nos Adolescentros, que são centros de promoção de saúde vinculados a unidades da Secretaria Municipal de Saúde em diversos bairros da cidade.

Esta iniciativa está integrada às comunidades de plataforma dos centros urbanos do Unicef e aos Adolescentros, centros de promoção da saúde vinculados a unidades da Secretaria Municipal de saúde, localizados nas regiões da Rocinha/São Conrado e Ramos.

A médica Viviane Manso Castello Branco, principal autora do projeto da “Rede de Adolescentes Promotores da Saúde (RAP da Saúde)”, conta que as atividades permanecem sendo realizadas em seis polos na cidade do Rio de Janeiro, sempre preservando e estimulando a atuação dos jovens na promoção da saúde.

Os seis polos do projeto hoje são:

-Adolescentro Paulo Freire/CF Rinaldo De Lamare

-Adolescentro Augusto Boal/CMS Américo Veloso

-Polo Caps Ad Raul Seixas/ CF Anthidio Dias da Silva

-Polo Zona Oeste / CMS Decio Amaral

-Polo Alemão

-Polo Masao Goto

Veja aqui a matéria sobre a experiência, publicada por ocasião da premiação.

 Assaré

No Ceará o município de Assaré desenvolveu um projeto com foco na promoção da equidade. Trata-se do trabalho intitulado “Mãe Valoriza a Vida”. Nele as gestantes que seguem as recomendações de comparecer ao mínimo de sete consultas de pré-natal com pelo menos uma ultrassonografia , participam de oficinas educativas e recebem cestas básicas desde a primeira consulta.

Aquelas que não comparecem ao pré-natal por mais de sessenta dias são convocadas pelo ministério público que recebe um relatório mensal de frequência. Outra ação que dá suporte ao Mãe Valoriza a Vida é o uso da internet pelos cidadãos no município. Aqueles que utilizam o provedor de internet da prefeitura doam uma cesta básica por mês para obter um desconto nos serviços.

Ao completar 17 meses, o trabalho registrou uma queda na mortalidade infantil de 29,63/1000 em 2009, para 3,77/1000 em 2010. A ação de promoção da equidade para mães e bebês permanece ativa no município monitorando a saúde de mães e crianças, incentivando a amamentação e o acolhimento.

Acesse aqui o texto sobre Assaré, publicado na ocasião da premiação.

 

2 Comentário

  1. A palavra é longitudinalidade! O Portal está prestando um grande serviço às experiências e ao SUS com esse tipo de matéria. Não basta apenas ganhar um prêmio ou chegar lá, é preciso manter as conquistas. Na nossa jovem democracia ainda estamos lidando com dificuldades em manter as experiências funcionando. Bom saber que essas experiências continuam; elas precisam ser valorizadas e avançar em suas propostas de combater as iniquidades. Meus sinceros parabéns a todos desta equipe do Portal e do Observatório. O SUS precisa disso!

  2. Trabalho em saúde pública e ações como estas são muito importante a promoção e proteção a saúde. É dever também do próprio cidadão para consigo e o próximo, incluindo no caso da gestante incluo o pai, a se responsabilizarem por suas escolhas a serem pais. São questões difíceis, mas não impossíveis de se praticar, parabéns.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*