Na abertura da Conferência Mundial sobre os Determinantes Sociais da Saúde autoridades fazem chamado para a superação das desigualdades em saúde

Com a presença de autoridades e delegados de 120 países, salão repleto com mais de mil participantes e transmitida ao vivo pela Internet em 4 idiomas,  ocorreu no Forte de Copacabana  a abertura oficial da Conferência Mundial sobre os Determinantes Sociais da Saúde.

O Ministro da Saúde do Brasil Alexandre Padilha iniciou os diálogos, lembrando a importância do evento e o papel de destaque do Brasil na sua organização. “Este é o maior evento realizado pela OMS fora de sua sede em Genebra, desde a Conferência de Alma Ata. Juntos vamos deixar nossa marca na história da saúde Mundial. O Ministério da Saúde sente-se honrado em ter podido apoiar esta iniciativa. Podemos realizar aqui a Alma Ata do século XXI, com outras perspectivas e outras questões”, situou Padilha.

A mesa de abertura da Conferência contou com a presença  do Presidente da República em Exercício, Michel Temer, da Diretora da OMS, Margareth Chan, do Governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, do Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, do  Prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes e do Diretor do Centro de Relações Internacionais (Cris) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Paulo Buss.

A Diretora Geral da OMS falou sobre o desafio de promover saúde nos dias de hoje. “É um desafio imenso reforçar as políticas de promoção a saúde, buscar um interesse do mundo, lutar contra uma prevalência de doenças, problemas como a obesidade em crianças por exemplo”, citou ela, lembrando os desafios da globalização e a necessidade de priorizar a saúde das pessoas e citou como exemplos a luta pela redução da obesidade infantil e o tabagismo. Para Chan o momento é ideal para debater e agir sobre as iniquidades, com ações efetivas sobre os DSS. Em reconhecimento às políticas sociais brasileiras, conclui que  “é adequado que esta conferência ocorra no Brasil este ano. Gostaria de lembrar que 2011 é uma virada no entendimento da saúde como bem estar”.

O ministro Alexandre Padilha disse acreditar que a CMDSS inicia um novo capítulo nos debates sobre bem estar e equidade. “Ao longo deste 23 anos, desde que criamos o SUS, o sistema de saúde do Brasil, enfrentamos as crises inflacionárias, a dívida externa e profundo desemprego. E apesar de 23 anos de várias crises, nosso país nunca renunciou ao desafio de oferecer saúde ao seu povo. Buscar saúde para todos e enfrentar as desigualdades é fundamental para o desenvolvimento de um país”, concluiu ele.

Nos discursos e mensagem de boa vindas Michel Temer, Sérgio Cabral e Eduardo Paes destacaram a importância da conferência para fortalecer as políticas e ações na superação das desigualdades em saúde.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*