Experiência com adolescentes promotores de saúde é um dos vencedores do Prêmio Pró-Equidade em Saúde

Rede de adolescentes promotores de saúde
RAP: Rede de Adolescentes Promotores da Saúde

 

Um trabalho concebido por profissionais da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro (SMSDC-RJ) foi um dos cinco vencedores do Prêmio Pró-Equidade em Saúde. O concurso é realizado pelo Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS), em parceria com o Centro de Estudos de Políticas e Informação sobre Determinantes Sociais da Saúde (CEPI-DSS) da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/FIOCRUZ) e o Ministério da Saúde.

Iniciativa premiada no Rio de Janeiro a Rede de Adolescentes Promotores da Saúde (RAP da Saúde) tem como principal autora a médica Viviane Manso Castello Branco e trata da atuação dos jovens na promoção da saúde. O trabalho vencedor contou ainda com a participação de: Luiza Maria Figueira Cromack, Maria Teresa de Castro Lima Pereira, Dilma Cupti de Medeiros, Márcia Torres, Ana Beloni, Livia Rodrigues, Katia Edmundo, Nilza Rogéria Nunes, Fransérgio Goulart, Aneli Beloni, Elias Pires Pimenta Siomeão, Eliane Gomes, Jaqueline Andrade  e Luciana Barreto Phebo.

Os profissionais trabalharam com foco no protagonismo juvenil, em ações com adolescentes capacitados como promotores da saúde, que acontecem em diversas regiões da cidade do Rio de Janeiro. Foram promovidas atividades como oficinas, feiras de saúde, contação de histórias, esquetes teatrais, que disseminam a cultura da saúde, da  cidadania e da qualidade de vida. Esta iniciativa está integrada às comunidades de plataforma dos centros urbanos do Unicef e aos Adolescentros, centros de promoção da saúde vinculados a unidades da Secretaria Municipal de saúde, localizados nas regiões da Rocinha/São Conrado e Ramos.

Experiências iniciais com adolescentes promotores de saúde em 2000 já haviam mostrado a relevância da participação destes em ações nas unidades de saúde, qualificando as práticas educativas e de aconselhamento. Surgiu então a Rede de Adolescentes Promotores da Saúde (RAP da Saúde) que vem sendo implantada desde 2007. A princípio, cinco comunidades receberam o projeto, que atualmente atinge 50 áreas, em função da parceria com o UNICEF.

Há uma preocupação em formar multiplicadores nas áreas assistidas, para que estes, a partir da interação com a comunidade, possam ouvir as reivindicações locais e criar mecanismos de integração com os serviços de saúde e outras políticas públicas. Em conseqüência desta interação, as atividades de promoção realizadas estão em sintonia com a cultura e demandas de cada região.

O Rap da Saúde realizou em 2010 o V Fórum Carioca de Juventude e Saúde e as reivindicações dos adolescentes foram encaminhadas ao Conselho Municipal de Saúde. Como resultado das ações nas comunidades, os autores do trabalho vem percebendo: maior atenção para os  jovens das regiões observadas, a produção de excelente conteúdo de orientação em vídeos, feitos com a linguagem dos próprios adolescentes, visibilidade positiva para os jovens das comunidades populares, além de uma maior integração da comunidade com as políticas públicas. Outro ponto observado foi o crescimento na auto-estima dos participantes das atividades. “Eles passam a andar de cabeça erguida, dizem que se sentem valorizados, perderam a vergonha de falar em público e gostam de mostrar aquilo que produzem”, comemora Viviane Manso.

Para conhecer mais a iniciativa visite:

http://soundcloud.com/elosdasaude/erika-rap-seminario-juventude/

http://soundcloud.com/elosdasaude/igor-bruno-rap-da-saude/

Agradecimento: Agradecemos a colaboração de Viviane Manso Castello Branco, coordenadora de Políticas e Ações Intersetoriais da SMSDC-Rio.

Contato:  (21) 2273-7398

Referência Bibliográfica

Elos da Saúde [homepage na Internet]. Rio de Janeiro: Coordenação de Políticas e Ações Intersetoriais; c2010 – [atualizada em 25 jul 2011; acesso em 25 jul 2011]. Disponível em: http://elosdasaude.wordpress.com/

2 Comentário

  1. Essa é uma experiência inspiradora! Coordenadores do Programa Saúde na Escola devem usar a mesma filosofia desse trabalho para condução de suas experiências. Parabéns à equipe envolvida.

  2. São essas atidutes de melhoria de vida que fazem toda a diferença, na vida do ser humano a preocupação e o cuidado tem que começar desde a gravidez. Parabéns aqueles que fazem parte dessa luta incontínua.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*