Estudo do PNUD mostra desigualdade em gastos com programas de proteção social durante a pandemia

Foto | Henitsoa Rafalia/Banco Mundial
  • Os autores de um relatório global desenvolvido pelo PNUD analisaram o aumento da desigualdade social e de lacunas de renda durante a pandemia de COVID-19 para entender o impacto dos programas de proteção social em diferentes nações.

  • O texto revelou que nos 41 países para os quais havia dados disponíveis, de 15 milhões de pessoas em perigo de cair abaixo da linha da pobreza, cerca de 12 milhões foram impedidas por medidas de proteção social.

  • Países ricos gastam até 212 vezes mais per capita do que os países pobres em assistência social, mostrando capacidade de investir mais em medidas de proteção social “desempenhou um papel crítico em manter as pessoas fora da pobreza”, avaliou um administrador do PNUD.

  • Os autores estimam que entre 117 e 168 milhões de pessoas tenham ficado pobres durante a pandemia.

  • Embora 2,9 trilhões de dólares tenham sido investidos em políticas de proteção social em todo o mundo, apenas 379 bilhões de dólares foram gastos pelos países em desenvolvimento.

Um novo relatório das Nações Unidas divulgado na quinta-feira (01) analisou o aumento da desigualdade social e de lacunas de renda durante a pandemia de COVID-19. Os autores do documento concluíram que o lançamento de um “número sem precedentes” de medidas de proteção social adotado por alguns países foi capaz de mitigar, mas não de impedir o aprofundamento das diferenças entre nações ricas e pobres.

O relatório “Mitigando a Pobreza” foi desenvolvido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e publica novos dados sobre como os gastos com assistência social mitigaram o choque econômico sem paralelo desencadeado pela pandemia. O texto revelou que nos 41 países para os quais havia dados disponíveis, de 15 milhões de pessoas em perigo de cair abaixo da linha da pobreza, cerca de 12 milhões foram impedidas por medidas de proteção social.

Países ricos se saíram melhor – Embora o impacto geral desse alívio tenha sido forte, o estudo também descobriu que ele estava amplamente baseado nos estados de renda alta e média alta. Os países ricos gastam até 212 vezes mais per capita do que os países pobres em assistência social.

O administrador do PNUD, Achim Steiner, destacou que a capacidade de gastar mais em medidas de proteção social “desempenhou um papel crítico em manter as pessoas fora da pobreza”.

Para países de renda média ou baixa, o relatório mostrou que os gastos com assistência social foram insuficientes para evitar um aumento repentino de pessoas que se tornaram pobres e em países de renda baixa, não foi possível evitar qualquer perda de renda. “Essa salvação depende de onde você mora”, observou o chefe do PNUD.

“O desafio agora é expandir o espaço fiscal para permitir que todos os países implementem e mantenham medidas de gastos com assistência social, o que se provou ser uma forma altamente econômica e eficaz de evitar que as pessoas caiam na pobreza.”

Diferenças enormes – Os autores estimam que entre 117 e 168 milhões de pessoas tenham ficado pobres durante a pandemia. Embora 2,9 trilhões de dólares tenham sido investidos em políticas de proteção social em todo o mundo, apenas 379 bilhões de dólares foram gastos pelos países em desenvolvimento.

Enquanto isso, em média, os países de alta renda alocaram 847 de dólares per capita em medidas de proteção social, incluindo assistência e seguro, enquanto os países de baixa e média renda gastaram em média apenas 124 de dólares por pessoa.  Ao mesmo tempo, a proteção social per capita total apenas nos países de baixa renda era de apenas 4 dólares.

Recuperação de duas vias – “O relatório oferece algumas reflexões sobre como a pandemia afetou as famílias pobres e vulneráveis ​​nos países em desenvolvimento, mas também sobre a importância das escolhas políticas para diminuir o aumento da pobreza”, disse o economista-chefe do PNUD, George Gray Molina.

Ele estimou que, se aplicada a todas as famílias pobres e vulneráveis ​​no mundo em desenvolvimento, uma  renda básica temporária — patrocinada pelo PNUD — poderia ter evitado o número de novos pobres extremos, globalmente.

As projeções do estudo ilustram que isso poderia ter sido alcançado dedicando apenas 0,5% do produto interno bruto (PIB) dos países em desenvolvimento, distribuído ao longo de seis meses, para medidas relacionadas ao apoio à renda.

 “O resultado final, entretanto, é que poderosos programas de assistência social estavam fora do alcance dos países de baixa renda, preparando o terreno para uma recuperação dupla da pandemia”, disse o funcionário do PNUD.

 

Por ONU Brasil . 05/07/2021

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*