Políticas públicas e estratégias para enfrentar os problemas associados ao uso de drogas e ao padrão sistemático da violência no Brasil

Um balanço das políticas públicas e das estratégias visando enfrentar os problemas associados ao uso de drogas e ao padrão sistemático da violência no Brasil e no Nordeste pautou os debates da sessão temática sobre violência e drogas no segundo dia da 1ª Conferência Regional sobre Determinantes Sociais da Saúde.

As considerações dos debatedores e as intervenções do público sobre a temática das drogas se concentraram nomeadamente na questão do Crack e nas drogas lícitas, cujo consumo na opinião dos debatedores continua sendo estimulado pela mídia e pela ausência de uma comunicação adequada de riscos. Destacou-se que dada a complexidade do fenômeno e a heterogeneidade dos usuários, não pode existir uma receita única para enfrentar os desafios impostos pelo Crack, os quais se evidenciam, por exemplo, nas diferentes trajetórias dos usuários de Crack retratados no documentário “Selva de Pedra” produzido e trazido ao debate por Preto Zezé, o representante da sociedade civil nesta sessão.

O foco dos debates sobre a violência constituiu o homicídio e, mais especificamente, os determinantes sociais e processos de determinação social dos homicídios na região do Nordeste, principalmente abordando e denunciando a violência contra a juventude negra. Diante do abismo nas taxas de homicídios entre negros e brancos no Nordeste, os debatedores enfatizaram que a violência e principalmente a violência de Estado tem cor, idade e território.

Com base nos diagnósticos da situação atual e das experiências nos âmbitos políticos, científicos e sociais, apontaram-se possíveis estratégias para reverter o alarmante quadro de violência, principalmente recomendando políticas integrais atreladas às parcerias com a sociedade tendo como foco a juventude negra.

Confira as apresentações dos participantes da mesa:

Ângela Cristina Santos Guimarães, da Secretaria Nacional da Juventude/Secretaria Geral da Presidência da República

Preto Zezé, da Central Única das Favelas

Maria Cecília Minayo, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca da Fiocruz.

Durante o debate foi exibido o trailer do documentário Selva de Pedra: Fortaleza Noiada

Elis Borde: relatório completo sobre a sessão temática apresentado na 1ª CRDSS.

Veja aqui o resumo sobre as sessões temáticas.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*