Pesquisa avalia interação entre sexo e idade em quadros graves da Covid-19

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Um estudo avaliou dados de mais de 178 mil pacientes, sendo 33 mil com diagnóstico confirmado de Covid-19, para determinar a relação da idade, sexo e inflamação com os quadros mais graves da doença, através de análise laboratorial. O pesquisador da Fiocruz Bahia, Bruno Bezerril, participou do grupo que realizou o estudo, formado por especialistas de diversas instituições nacionais e internacionais.

Trabalhos anteriores mostraram que pessoas do sexo masculino têm maior suscetibilidade a desenvolver a forma grave e que pessoas mais idosas apresentam risco maior de morte e complicações da Covid-19, no entanto é a primeira vez que essas constatações são apresentadas de maneira sistematizada, com análise de parâmetros laboratoriais de amostras de uma grande quantidade de pessoas em uma única pesquisa. Os resultados do estudo, liderado pelo professor da Universidade de São Paulo (USP), Helder Nakaya, foram descritos em artigo publicado no International Journal of Infectious Diseases.

Os cientistas estabeleceram um perfil laboratorial dos pacientes, com a contagem completa de células sanguíneas, eletrólitos, metabólitos, gases no sangue arterial, enzimas, hormônios, biomarcadores de câncer, dentre outros. Os resultados revelaram que pacientes idosos do sexo masculino têm valores laboratoriais significativamente anormais, incluindo marcadores inflamatórios mais elevados, em comparação com mulheres idosas. Biomarcadores de inflamação, como a proteína C reativa e ferritina, eram mais altos especialmente em homens mais velhos, enquanto outros marcadores, como testes de função hepática anormais, eram comuns em várias faixas etárias, exceto para mulheres jovens.

Segundo os autores do estudo, por ser uma infecção multissistêmica, os pacientes com a forma grave da Covid-19 passam por um processo chamado “tempestade de citocinas”, que é um indicativo de descontrole da inflamação. Isso acontece quando o corpo perde a capacidade de parar esse processo que combateria a doença, desencadeando problemas gravíssimos. Uma hipótese levantada pelo estudo é de que pacientes mais idosos e do sexo masculino têm tendência a ter um descontrole maior da inflamação por conta dessa tempestade de citocinas.

Homens e mulheres apresentaram alterações no sistema de coagulação e níveis mais elevados de neutrófilos, proteína C reativa, lactato desidrogenase, entre outros. Estas alterações foram substancialmente afetadas com o aumento da idade, e o impacto da idade se mostrou mais relevante em homens do que em mulheres. No momento, o grupo de cientistas está trabalhando na expansão destes resultados para testar um escore clínico laboratorial potencialmente capaz de predizer a probabilidade de óbito em pacientes com Covid-19.

 

Por Fiocruz Bahia . 07/05/2021

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*