Plenária debate o diálogo da Saúde com todas as políticas públicas

Agenda está sendo trabalhada no mundo inteiro e discutida pela OMS e organizações regionais de saúde (Imagem: Keila Vieira)
Agenda está sendo trabalhada no mundo inteiro e discutida pela OMS e organizações regionais de saúde (Imagem: Keila Vieira)
Agenda está sendo trabalhada no mundo inteiro e discutida pela OMS e organizações regionais de saúde (Imagem: Keila Vieira)

A plenária “Saúde em todas as políticas” encerrou o primeiro dia de atividades da 1ª Conferência Regional sobre DSS (CRDSS) do Nordeste. Durante o debate foi apresentado o que está sendo discutido sobre tema no mundo, quais as metas traçadas, os compromissos firmados e os conceitos apropriados. Diante disso também foi colocado o posicionamento do Brasil à frente deste cenário e o envolvimento brasileiro no debate. Participaram das discussões a diretora de Análise em Situação de Saúde do Ministério da Saúde, Deborah Malta, e a diretora do Núcleo de Saúde Pública da UFPE, Ronice Sá. A coordenação foi do vice-presidente de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde (VAAPS) da Fiocruz, Valcler Rangel.

Alguns eventos de grande importância foram postos em pauta, como a 8ª Conferência Global  Promoção da Saúde, realizada em  junho, em Helsinki, na Finlândiam, cujos objetivos, resultados e o documento elaborado com os compromissos foram repercutidos e apresentados ao público. Outras iniciativas foram destacadas, como a Conferência Mundial sobre DSS (2011), a Rio +20 e os Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM). A articulação da agenda nacional com a internacional foi sugerida como uma maneira de fortalecer as estratégias de enfrentamento. “A ideia não é que a saúde influencie todas as políticas, mas que ela dialogue com elas”, afirmou Ronice Sá.

É preciso reconhecer os desafios no enfrentamento das iniquidades, da criação de mecanismos, compromissos e do diálogo da saúde com a economia e com a ideia de desenvolvimento sustentável. “Essa é uma agenda que está sendo trabalhada no mundo inteiro e que está sendo discutida pela OMS e pelas organizações regionais de saúde. Estamos chegando à conclusão clara de que você não faz saúde, não vive bem ou não tem bem estar se não articular a área às demais políticas. Se ficarmos concentrados no setor Saúde, não conseguimos ver o que as outras políticas estão impactando na vida das pessoas”, comentou Ronice.

Confira a apresentação realizada pela diretora do Nusp/UFPE Ronice Sá.

Saiba mais sobre a 8ª Conferência Internacional de Promoção da Saúde.

2 Comentário

  1. Obrigada pelo registro sobre tema tão caro a todos os que militamos pela integralidade das ações via gestão intersetorial de políticas, programas e intervenções que visam promover equidade, justiça social, garantia de direitos e saúde (tanto no seu conceito restrito quanto no ampliado). Vida com felicidade, plenitude, direitos iguais, respeito às diferenças e equidade!

  2. Importantíssimo registro de uma atividade fundamental para superar a fragmentação e superposição de ações, tornando-as mais efetivas e eficientes. Parabéns às iniciativas que estão enfrentando iniquidades ainda persistentes em nosso país.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*